“Palhoça vai ter hospital”, garante o secretário de Saúde Rosiney Horácio

“Palhoça vai ter hospital”, garante o secretário de Saúde Rosiney Horácio
Rosiney Horácio - Secretário de Saúde de Palhoça

O hospital deverá ser instalado em um terreno de três hectares, às margens da BR-282, no Bela Vista, onde hoje está localizado o horto florestal do município.

O primeiro passo concreto para a construção de um hospital público em Palhoça foi sedimentado: o secretário de Saúde, Rosiney Horácio, já bloqueou os recursos necessários e já assinou a autorização para o início do processo licitatório que vai contratar uma empresa para elaborar o projeto arquitetônico do futuro complexo de saúde palhocense.

A construção de um hospital em Palhoça é um projeto que vem sendo batalhado desde a administração do prefeito Camilo Martins e ganhou força neste início de gestão de Eduardo Freccia. “Nós vamos conseguir trazer o hospital para Palhoça. Camilo batalhou muito por isso, o Freccia também é um grande entusiasta e está trabalhando muito para que isso aconteça. E também sempre foi uma bandeira minha, inclusive na Câmara de Vereadores nós fizemos vários movimentos neste sentido. E agora, finalmente, a proposta está se concretizando”, comemora Rosiney Horácio.

Mesmo sem um hospital, Palhoça tem sido referência no estado no atendimento em saúde. “Seguramente, nós somos um dos municípios do estado melhor servidos em termos de estrutura da saúde”, garante Rosiney. “Não deve ter em Santa Catarina um município com uma população equivalente à nossa que tenha duas unidades de pronto atendimento (UPA), como nós vamos ter, a partir do dia 24 de abril, quando iremos inaugurar a UPA Sul”, argumenta o secretário de Saúde.

Os números relativos à Covid-19 comprovam a eficiência do setor. Palhoça tem um percentual de vacinação superior à média nacional – cerca de 20 mil pessoas já tomaram a primeira dose do imunizante – e tem a menor taxa de letalidade entre as 15 maiores cidades de Santa Catarina – 0,96%. O alto índice de recuperação de pacientes em Palhoça pode ser explicado pelas ações que a Secretaria da Saúde vem desenvolvendo desde o início da pandemia.
Desde os primeiros casos, o município articulou uma central de monitoramento para acompanhar a evolução dos pacientes. Neste ano, com o pico de contágio registrado em fevereiro, a Secretaria de Saúde reforçou a estrutura de atenção à doença, criando um centro de referência de atendimento aos pacientes sintomáticos de Covid-19 na Unidade Básica de Saúde (UBS) Central, que atendeu mais de 3 mil pacientes. Com as medidas restritivas adotadas desde fevereiro e a colaboração da população, o índice de contágio foi reduzido.

Há cinco semanas, vem sendo registrada a diminuição dos casos ativos de Covid-19 em Palhoça, a ponto de o centro de referência ter sido desativado nesta quarta-feira (14). “Estamos fazendo o dever de casa. O pessoal está se cuidando, com o distanciamento, e está havendo uma fiscalização eficiente. Fechamos o Centro de Referência, para aproveitar melhor o trabalho dos dois médicos que nós havíamos destacado para lá, já que a procura caiu bastante. Hoje, o atendimento a pacientes com Covid-19 é feito em todas as nossas unidades de saúde”, observa o secretário.
Na fase mais crítica da pandemia, a UPA 24h do Bela Vista chegou a ter 15 pacientes internados com Covid-19; sete deles intubados, utilizando respiradores, e o restante utilizando uma máscara macro para facilitar a respiração. “Nós transformamos a UPA em um mini-hospital”, relembra Rosiney. A unidade do Bela Vista recebeu adequações, com ampliação dos recursos humanos, incluindo a implantação de nutricionista e fisioterapeuta, além da instalação dos sete leitos de enfermaria com suporte de respiração mecânica (respiradores), o que vinha possibilitando a estabilização de casos mais graves até a abertura de novas vagas na rede hospitalar estadual. Hoje, não há nenhum paciente intubado.
Dois fatores contribuíram para a redução dos casos graves, na avaliação do secretário: o avanço da vacinação em Palhoça e a atuação da equipe médica na orientação dos pacientes nos estágios iniciais da Covid-19. “A vacinação com certeza já está surtindo efeito. Praticamente, você não vê mais idoso internado”, diz o secretário. “E com relação ao tratamento, Palhoça adotou todos os protocolos possíveis, à escolha do médico. Deixamos nossos médicos livres, não podemos estar determinando um tratamento. E o trabalho dos nossos médicos é muito bom. Independentemente da linha que cada um segue, todos os pacientes têm atendimento de qualidade, ninguém sai de Palhoça sem atendimento”, destaca Rosiney, lembrando que a UPA 24H chegou até a absorver demanda da iniciativa privada durante a fase mais aguda da pandemia na região.

Com o avanço da vacinação, o bom desempenho da equipe médica, a ampliação da estrutura com a inauguração da UPA Sul e a colaboração da população, a tendência é a de que os números da Covid-19 em Palhoça sigam em queda. “Se as pessoas se cuidarem e não houver uma nova variante do vírus, a tendência é de queda, sim”, projeta.